Carta Aberta à Redação da Revista Pais & Filhos (Brasil)

by Pat Feldman on 29/06/2013 · 8 comments

in AMIGOS, ARTIGOS, Leitores do Crianças na Cozinha, MAIS...

Screen Shot 2013-06-28 at 19.06.34Que revistas em geral obedecem muito mais aos anunciantes do que ao jornalismo sério, não é novidade pra ninguém. Algumas matérias são bastante sutis ao induzir o consumidos a comprar uma ideia/produto, mas de vez em quando aparecem umas matérias tão descaradamente publicitárias, que dá raiva!!

As revistas são as fontes mais populares e baratas de informações em geral, o que significa que são a literatura de maior circulação possível e portanto as mais capazes de espalhar informações. Muitas revistas estão no mercado há anos e anos, e possuem uma credibilidade incrível. As pessoas acreditam cegamente no que estão lendo e seguem aquilo como uma cartilha.

Por tudo isso, seria de se esperar que essas revistas se dedicassem com afinco a um jornalismo sério e imparcial, mostrando em cada uma de suas matérias todos os lados de uma mesma questão, todas as opções disponíveis e as vantagens e desvantagens em cada uma delas. Mas parece que não é o que vem acontecendo ultimamente, especialmente em revistas infantis…

O pessoal do blog Infância Livre de Consumismo vive de olho em muitas coisas incríveis, e pegou “no flagra” uma matéria com toda a cara de encomendada pela indústria da papinha (que no Brasil resume-se única e exclusivamente a uma empresa só…). Como o trabalho dessa turma é sério ao extremo, eles escreveram uma carta aberta à revista, criticando especificamente essa matéria. Eu extendo minha crítica a toda e qualquer matéria paga, fruto do pior tipo de jornalista possível.

Pedi e fui autorizada e reproduzir a carta aberta aqui, com o intuito de abrir os olhos de todos vocês. Trabalho excelente, assino embaixo!

Foi com pesar e preocupação que lemos a matéria “É papinha, sim”, no site da RevistaPais & Filhos. Revestida de uma campanha para abolir a culpa materna, vocês colocam no ar uma campanha da papinha industrializada – que, “coincidentemente”, no Brasil, é monopólio de uma única empresa, tradicional e transnacional – e passam a matéria toda induzindo as mães a darem a seus bebês, “para se livrarem da culpa”. Claro, assim não precisa nem citar a marca, porque só tem uma e todo mundo, até quem não consome, já conhece. Mas vocês, sim, precisam informar ao leitor que isso é anúncio.

“É papinha, sim” é publicidade disfarçada de jornalismo. Daquelas em que a pauta sai pronta da agência e vai para a redação apenas para que vocês encontrem uma personagem adequada, que diga o que os anunciantes querem ouvir. Neste caso, uma personagem que não sabe cozinhar e, mesmo tendo empregada – e esta cozinha para a filha mais velha da personagem -, prefere dar papinhas industrializadas à filha. Congelados, papinhas caseiras delivery, marmita, comida da avó, da diarista e outros não são opções na matéria, sequer são citadas.

Além da matéria citada, percebemos que a Revista tratou de organizar eventos com mães e blogueiras convidadas – ou que se inscreveram pelo site – para, que surpresa, falar sobre a papinha e prrsenteá-las com unidades da marca que detém o monopólio no Brasil. Se restava alguma dúvida de que era um evento publicitário, não resta mais. O site da revista e os blogs das convidadas estão cheios de fotos de bebês comendo papinhas da patrocinadora do evento, da campanha, da matéria e, pelo visto, de toda a publicação.

Isso, além de publicidade velada, é um desserviço social. Soa como uma sabotagem para as mães que, mesmo trabalhando oito ou mais horas fora de casa e encarando jornadas duplas ou triplas com os filhos, se esforçam para dar-lhes uma comida saudável (seja preparada por ela, pelo marido, pela empregada ou mesmo por uma fornecedora). A gente se esforça tanto para criar bons hábitos alimentares nos nossos filhos e vem a maior revista sobre criação de filhos do Brasil colocar isso por água abaixo, ao dizer que tudo bem dar a papinha industrializada no dia-a-dia.

A matéria não fala de viagens, passeios longos ou imprevistos, fala de situações cotidianas, em que a mãe, por sinal, está em casa com a criança. “Não ter tempo” e “estar sem cabeça” são, cada vez mais, situações banais nas vidas das mães, que a revista explora até a última instância, para vender a ideia de que a papinha industrializada não faz mal à saúde.

O recado que é passado é: afinal, quem tem tempo “sobrando” para coisas “menores”? Se cozinhar para os filhos (e quem disse que esta é função exclusiva das mães?) é mostrada pela revista como uma tarefa menor, as mães não se sentem encorajadas a fazê-lo. Mas, com ou sem papinhas industrializadas, os bebês crescem e logo precisam comer a comida da família (desde que ela seja saudável, claro), esta também é uma recomendação pediátrica e do Ministério da Saúde que não foi citada na matéria.

A matéria reitera a todo instante que a papinha não tem conservantes e que por isso mesmo pode ser consumida sem culpa (claro, a luta contra a culpa vira desculpa para o desleixo ) e, pior, sem questionamento. Mas não cita que a quantidade de seus componentes não está clara nos rótulos, não explicam o que é e, principalmente, como isso pode afetar a saúde dos bebês. Se é para falar exatamente o que a fabricante das papinhas quer ouvir, sem questionar ou ir além, melhor não escrever uma matéria, e sim um release – e deixar isso bem claro aos receptores da mensagem.

Ora, mas se todas nós sabemos que as papinhas industrializadas são mais caras que fazer comida em casa e, não, não são a mesma coisa, além de não serem recomendadas para o consumo diário, por que vocês não se esforçam para sair da pauta pronta e mostram outras opções? Há muita coisa entre a mãe que cozinha todos os dias alimentos orgânicos para seus filhos e a mãe que dá papinha industrializada diariamente, como a citada por vocês, concordam?

Mas o jornalismo (?) anda cada vez mais preguiçoso, procurar personagens para ampliar o espectro estava fora de questão. Ou será que é a publicidade que está cada vez mais sagaz e acha que, se a coisa for colocada em forma de matéria, com legitimação de uma jornalista e uma pediatra, a coisa fica mais aceitável?

Infelizmente, para nós, mães e consumidoras, as duas premissas estão certas. A Pais & Filhos praticou um jornalismo negligente e que desinforma. E a agência de publicidade deve estar comemorando o sucesso da campanha das suas papinhas, quer dizer, das mães sem culpa. E não acabou por aí, já que a cada mês a campanha traz um novo evento com mães convidadas. Para acompanhar o recente evento sobre amamentação, uma matéria sob encomenda para recomendar também o uso da fórmula infantil. Bancos de leite sequer são citados. E, com isso, todos os esforços para uma maternidade responsável e sustentável (que a Revista diz ser um de seus pilares – quanta ironia!) se esvaem.

Jornalistas são formadores de opinião e têm – ou deveriam ter – responsabilidade social com o que publicam. Não vemos responsabilidade alguma neste texto. Ele dá o aval para que as mães ofereçam a papinha industrializada diariamente aos seus filhos, afinal, “a revista diz que não faz mal”. Não importa se a médica consultada pela revista diga que é para situações eventuais, pois o resto do texto todo diz que pode-se dar, sem culpa, sempre que estiver sem tempo ou “sem cabeça”. Ou seja, pode ser todo dia.

Por fim, lamentamos muito que esta matéria tenha saído no site da revista de parentalidade mais antiga do Brasil e gostaríamos que vocês deixassem claro para os seus leitores o que é jornalismo, o que é anúncio. Se, numa hipótese pouco provável, este anúncio não foi pago pela empresa que fabrica as papinhas e vocês o fizeram porque estão em busca de anunciantes, tanto pior. Sugerimos que façam prospecção diretamente com a agência de publicidade, não usem uma matéria para isso. Porque aqui não é questão de opinião, é questão de saúde das nossas crianças, de criação de bons hábitos alimentares, de apresentar um modelo de conduta para nossos filhos, que aprendem sempre pelo exemplo, não há outro meio.

E para quem acha que viajar com papinhas caseiras é complicado, eu sugiro dar uma olhada nas minhas dicas, AQUI.

Envie para um amigo Envie para um amigo Versão para impressão Versão para impressão

{ 8 comments }

Patrícia June 30, 2013 at 9:15

Eu venho percebendo o problema já a algum tempo, mas o “flagra” como você disse aconteceu em uma matéria da Revista Saúde sobre o Glutamato Monossódico, infelizmente eu não sei dizer qual a data da revista, mas o principal depois de sempre ler sobre os problemas que este tempero causa, até mesmo segundo os pesquisadores aumento de peso e dor de cabeça, a Revista Saúde lança uma matéria provalmente encomendada pela Ajinomoto, em que diz que o Glutamato tem menos sódio que o sal de cozinha e cita vários benefícios do mesmo, a matéria é tão estranha porque ela é curta e tem poucas ou nenhuma referência de médicos ou pesquisadores que comprovem a veracidade do que está escrito. É uma penas, pois isso tira a credibilidade da revista. Outro exemplo foi uma matéria de capa da revista Veja que fazia propaganda de injeções para diabéticos que estavam sendo usadas para emagrecer, a revista diz que não há qualquer efeito colateral, enquanto que sites médicos e até mesmo blogs citam uma lista enorme de problemas. Fica aqui o registro. Parabéns!

Ana Flavia July 3, 2013 at 18:27

Taí Pat, o discurso da moça que trabalha nessa empresa tão renomada que te falei outro dia. hahaha. EXATAMENTE o que ela falou com o Thiago. Prontinho pra sair na revista!
Incrível……

Pat Feldman July 3, 2013 at 19:51

Acho que a condição para conseguir o emprego é decorar o discurso!! kkkk

Clarissa Fernandes June 30, 2013 at 12:05

Lamentável! Meu filho tem um ano e meio e NUNCA comeu papinha industrializada, nem em viagens, nem em passeios longos ou em qualquer outra situação. Pra mim, trabalhar fora não é desculpa para comer mal ou dar qualquer coisa pro filho comer. Não trabalho fora, mas isso não significa que meu dia seja mais tranquilo afinal me divido com os cuidados com o bebê (e convenhamos, isso toma grande parte das horas e das energias) e com os cuidados com a casa. Também tenho pouquíssimo tempo, mas mesmo assim priorizo a saúde e bem estar do meu pequeno, que desde a introdução de sólidos, aos 6 meses sempre comeu comida caseira, feita por nós (papai e mamãe) com alimentos preferencialmente orgânicos e frescos. Parabéns a Infância Livre de Consumismo e a vc Pat, por trabalharem para reverter o vergonhoso processo de consumismo desenfreado e sem sentido e por ajudar os pais a dar valor a saúde dos pequenos.

Elizabeth Ambiel Pires June 30, 2013 at 12:08

Obrigada pelo envio da matéria, obrigada pelo seu site existir.

Monique Ribeiro June 30, 2013 at 17:07

Sou mãe , trabalho fora e eventualmente dei papinha industrializada para meus filhos.
Não sou contra papinhas industrializadas.
Mas tb quem daria diariamente isso para o seu bb?
Equivale a comer todo dia uma lasanha da Sadia? Loucura
O problema são os excessos.
Li uma materia dizendo que nos EUA essas papinhas sao amplamente utilizadas sem nenhum problema nem culpa.
Acho ue qsemelhante a outros produtos, como por exemplo a fralda descartavel e lenço umedecido, a tendencia é o preço baixar e utilização aumentar.
Sendo apenas mais uma consequencia da vida moderna

Monique Ribeiro June 30, 2013 at 17:09

Sou mãe , trabalho fora e eventualmente dei papinha industrializada para meus filhos.
Não sou contra papinhas industrializadas.
Mas tb quem daria diariamente isso para o seu bb?
Equivale a comer todo dia uma lasanha da Sadia? Loucura
O problema são os excessos.
Li uma materia dizendo que nos EUA essas papinhas sao amplamente utilizadas sem nenhum problema nem culpa.
Acho que semelhante a outros produtos, como por exemplo a fralda descartavel e lenço umedecido, a tendencia é o preço baixar e utilização aumentar.
Sendo apenas mais uma consequencia da vida moderna

Dania July 1, 2013 at 9:51

Nossa que absurdo!!!!!!!!!! Não acredito que uma revista que se diz séria pode publicar algo assim. Meu filho tem 13 anos e comeu muito pouco estas papinhas….e eu tenho enxaqueca e sou a prova viva do quanto as comidas industrializadas fazem mal a saúde, tenho crises fortes só de comer uma salsicha….
Mas ainda bem que temos trabalhos sérios como os seus Pat, que nos ajudam a ter uma vida mais saudável e feliz….

Comments on this entry are closed.

Previous post:

Next post: